quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Haddad veta fim de baile funk e regras para sinuca


O prefeito Fernando Haddad (PT) vetou hoje lei aprovada pela Câmara Municipal em dezembro que proibia a realização de bailes funks até em espaços privados como estacionamentos e postos de gasolina.

O projeto é de autoria dos vereadores Conte Lopes (PTB), ex-comandante da Rota, e de Coronel Camilo (PSD), ex-comandante da PM na região central. No final de maio, Haddad já havia sancionado lei que previa multa para carros com som alto nas ruas, de autoria do ex-presidente da Câmara Antonio Carlos Rodrigues (PR), atual senador. A lei foi regulamentada no dia 31, mas ainda não existe uma estrutura de fiscalização para fazer cumprir as regras.

A proibição em vigor incluí aparelhos de rádio, televisão, vídeo, CD, DVD, Ipods, celulares, além dos alto-falantes e até instrumentos musicais. Haddad argumentou ter já sancionado a lei de abril para vetar a nova proposta.

“No que tange às providências de natureza fiscalizatória, o intuito da proposta encontra-se integralmente atendido pela Lei nº 15.777, de 29 de maio de 2013, que dispõe sobre a emissão de ruídos sonoros provenientes de aparelhos de som instalados em veículos automotores estacionados, oriunda de projeto de lei de autoria desse Legislativo”, argumentou o prefeito no veto, publicado hoje no Diário Oficial da Cidade.

O prefeito também vetou outra lei aprovada pelo Legislativo em dezembro que previa a padronização das mesas de sinuca nos bares paulistanos, de autoria do vereador Goulart (PSD). A lei proibia mesas com desníveis, tacos improvisados e apostas em dinheiro.

Bem legal Haddad,um veto que valerá inúmeros votos na "reeleição".
Não sou apenas contra baile funk em locais abertos(rua)como sou contra a qualquer tipo de sons,isso inclui Gospel,sertanejo,rock e afins..

Vou conta uma pequena história.
A mais ou menos um mês atrás estava dormindo em casa,tinham um barulho de funk chato meio que de fundo,nada fora do normal até ai,já que a prefeitura de Osasco da autorização para fecharem a rua e fazerem festa nela,quase que semanalmente.
Meu filho de 2 meses de idade (na época dessa história)acordou com o som,para não mim acorda minha esposa foi pessoalmente da uma olhada na rua,chegando lá descobriu que a principal função do baile era na minha calçada com 2 carros abertos expelindo aquela merda que eles chamam de música.
Perguntou de quem era o carro e ninguém "sabia"depois de algumas reclamações mais ríspidas  apareceu os donos dos carros, o tiraram daquele ponto da rua indo para uns 50 metros mais adiante(o "suficiente" para não incomoda tanto lá em casa).
Mas como é normal dos machões dos dias de hoje,não sem antes falar para minha esposa,que só iria tirar o carro por causa do bebê.
Felizmente não foi eu que presenciei toda essa cena,porque acho que iria da merda..
Essa postagem não é "vingativa"como falei antes, sou contra qualquer tipo de som em ambiente publico incomodando quem quer que seja!

Fonte da Reportagem
Estadão

2 comentários:

DGO 1994 disse...

O funk era cultura qdo falava em forma de protesto!

VH disse...

essa forma esta quase extinta