quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

3 leões extintos,com a mãozinha do homem..

O leão-europeu (Panthera leo europaea) é uma possível subespécie de leão que habitava o continente europeu e que se encontra extinto desde o ano 100 d.C., quando os últimos indivíduos desta subespécie foram mortos na Grécia.
Na Europa, os leões habitavam a Península Balcânica. Habitavam as atuais Grécia, Bulgária, Macedônia, Romênia e Iugoslávia e seu habitat se estendia até à península Ibérica, passando pelo sul da França, Itália, Hungria e o sul das atuais Áustria e Suíça. No ano de 480 a.C., a marcha do Imperador persa Xerxes foi atrapalhada por um ataque de leões a seus camelos de carga. Viviam em florestas temperadas e áreas de vegetação mediterrânea, e se alimentavam de bisões, cervos, alces, auroques e outros herbívoros europeus.Junto com o leão-do-atlas, trazido do norte da África, e o leão-asiático (trazido do Oriente Médio), também foram utilizados leões-europeus nas arenas romanas, o que, a longo prazo, afetou fortemente as populações, e quando os leões-europeus se encontravam a beira da extinção, os romanos passaram a utilizar o leão-do-atlas nas arenas para devorar cristãos e lutar contra gladiadores e outros animais tais como o tigre-do-cáspio e o urso-do-atlas. Além disso os leões-europeus também foram afetados pela caça (o leão era um objetivo de caça muito popular entre gregos, macedônios e romanos)O leão-do-cabo (panthera leo melanochaita) foi uma das subespécies de leão africano. Habitava o sul, da África do Sul. Foi extinto em 1865.
Os machos maiores mediam até 3,35 m e pesavam cerca de 320 kg. Já as fêmeas eram menores, tendo no máximo 2,74 m e até 210 kg de peso. Devido ao clima mais frio e seco, os leões da província do Cabo dispunham de menos presas que os leões do resto da África, e por essa razão eram menos abundantes e não formavam bandos. Levavam uma vida solitária como predadores oportunistas. Os machos tinham uma juba negra densa que prolongava parcialmente pelo ventre, de uma forma parecida com as subespécies do norte da África e da Ásia, das quais se diferenciava por ter patas proporcionalmente mais curtas e juba mais lisa. Os filhotes dessa subespécie, tal como os das demais, nasciam com manchas que sumiam com seu crescimento, o qual era mais rápido que normal entre os leões, já que a juba começava a crescer quando os machos eram muito jovens.
A partir de meados do século XVII, chegaram os primeiros colonos na África do Sul, vindo de países como Holanda, França, Alemanha, Escócia e Dinamarca. Nesta época os leões atacavam praticamente qualquer coisa, fosse uma zebra, um antílope ou mesmo uma foca descansando na praia. Junto com os colonizadores vieram os animais domésticos, que, em relação a suas presas tradicionais, eram mais fáceis de serem abatidas.
Os relatos da época falam muito de ataques de grandes leões contra os assentamentos boeres.
Jan van Riebeeck, fundador da Cidade do Cabo em 1652, teve de construir o Castelo da Boa Esperança precisamente para evitar seus ataques. A partir de 1666, a primitiva estrutura de madeira começou a ser substituída por outra de pedra que tornasse a sua defesa mais eficaz.O Leão-do-Atlas(Panthera leo leo) é a maior e mais feroz de todas as subespécies de leão, podendo os machos chegar a pesar entre 270 a 330 kg e as fêmeas entre 180 a 210 kg.
Os machos têm como característica uma imensa juba preta, que cobre grande parte de seu corpo.
Antigamente o leão-do-atlas (também conhecido como leão-barbário ou berbere) era encontrado em grande parte da região norte da África. Seu habitat se estendia do Marrocos ao Egito, ao longo da costa sul do Mar Mediterrâneo. Diferente dos leões do resto da África, os leões-do-atlas viviam em áreas montanhosas e florestadas. Junto com o também extinto leão-europeu, o leão-do-atlas foi muito utilizado no Coliseu romano, trazidos dos montes do Norte da África. E após a extinção do leão-europeu, o leão-do-atlas passou a ser ainda mais utilizado. Júlio César chegou a contar com 600 leões e Pompeu, 400. Por volta de 1700 foi extinto da Líbia. Em 1891 foi extinto da Tunísia e em 1893 da Argélia. O último leão-do-atlas em liberdade foi morto em 1922 no Marrocos, na região dos montes Atlas. Acreditou-se que estava extinto até que foram encontradas em cativeiro algumas populações com características desta subespécie.
Fonte;
http://pt.wikipedia.org/wiki/Leão

3 comentários:

Ação e Arte e Único uma criação de Allan Ruy disse...

man muito bom esse post dos leões extintos... amanhã olharei com mais calma os outros posts.
visite: http://acaoeartehqs.blogspot.com/

Victor Viana disse...

Muito massa os bichinhos , queria ter um deste em casa o.0

Ação e Arte e Único uma criação de Allan Ruy disse...

valeu parceiro a visita se puder da uma lida: https://docs.google.com/present/view?id=d92xtwv_74zcgc7wc3&revision=_latest&start=0&theme=blank&cwj=true&pli=1